Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Triunviratos

por wcyl, em 17.07.13

Três é um numero mágico. Na democracia representa a quantidade mínima de entidades ou pessoas necessárias à tomada de decisão em grupo. Os cristãos fundamentam-no no mistério da fé, a Santíssima Trindade. Já os miúdos tiveram os três porquinhos, os três mosqueteiros e os três sobrinhos do Pato Donald enquanto os adultos sonhavam com um ménage a trois.

 

Três é também usado como código internacional de socorro. Três fogueiras no deserto servem de alerta. Alertas que nada nos valeram contra os três partidos que nos desgovernaram nas ultimas três décadas. PS, PSD e CDS. Três vezes falimos e três vezes nos resgataram (1978, 1983 e 2011) apesar de cada português ser dono de três bancos BPN, BPP e BANIF.

 

Nos últimos três dias os mesmos três partidos que se governaram desgovernando-nos tentam um triunvirato de salvação nacional para convencer os três da troika que sozinhos, assim nos emprestem mais 30 mil milhões de euros, seremos capazes de atingir o mítico défice de 3%. Num planeta próximo BE e PCP negoceiam com o PS de Sócrates um governo à esquerda que tem tudo para resultar assim se ultrapasse o pormenor do anexo III do programa de governo. "Ser feliz sem dinheiro".

 

Como é que isto acaba? Apostem na tripla.

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Teresa Santos a 20.07.2013 às 06:07

É lamentável o que se passa, uma vez mais, em Portugal; esse país pequeno em área e miseravelmente insignificante em personalidades com poder de liderança, mas fortes em arrogância , caqueticos que se julgam donos de uma razão, de um ideal de uma imagem intransponivelmente e incomparável; fazem-se valer do termo histórico que analisados só são mais uns quantos EGOÍSTAS , que não prescindem de Direitos Milionários que tornaram LEI no seu tempo governativo e, agora se acham no direito de chamar a si louvores que nunca tiveram culpando os novos, quando a crise começou precisamente com eles em Governar Desgovernadamente.
Lamento que um "Boneco" que nada tem de Seguro, mais parece gelatina, interrompa uma negociação convencido de já ter no "papo" a apoteose da vitória eleitoral, acompanhado desse senhor presunçoso, atual presidente de camara.
Levantemos e afastemos pois esta NAÇÃO destes mesquinhos que prometem dar o que não têm e que o país saiba dar uma lição definitiva a esta gentinha, que depois de tanto nos prejudicarem ainda querem tempo de antena, veja-se um Mário Soares, que criou uma associação para desviar legalmente mais uns milhões para si; um Manuel Alegre que se se dedicasse mais à escrita poética era mais importante já que de nenhum bem nem direito prescinde para agasalhar sequer um irmão; esse Sócrates a versão 3D do Pinóquio português, que depois de tantos descalabrados, tantas mentiras, tantos amealhanços ilegais, arranjou um "tacho" numa TV que é paga por todos nós:
BASTA! Gritemos bem alto " DEIXEM GOVERNAR ", tenham paciência e esperem pela vossa vez , mas não estejam tão SEGUROS que vai ser já nas próximas eleições.
É preciso recordar a este POVO que se hoje há muitas famílias com enormes dificuldades financeiras, foi porque gastaram acima das suas possibilidades; à semelhança de políticos que desbarataram em legalizar subsídios, reformas, direitos e outras regalias com valores incomportáveis para esta nação outrora grande em feitos e em riqueza, e hoje, apenas tem individualismos mesquinhos e tacanhos com arrogância que não merecem.
CASA ONDE FALTA PÃO, TODOS RALHAM E NINGUÉM TEM RAZÃO.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D